A fase escatológica é normal?

A famosa fase escatológica chegou novamente aqui em casa. Incentivada pelo irmão mais velho, a Youngling só canta Parabéns à Você assim:

Parabéns pro cocô;
Nessa data cocô;
Muita felicidades;
Muitos anos de cocooooô!

É no carro, no restaurante, no mercado. Em todos os lugares ela faz questão de cantar dessa forma. Será que esse tipo de atitude configura em má educação? Será que estamos errando em alguma coisa?

A psicóloga e psicopedagoga Úrsula Mariane Simons* diz:

Lá pelos 2 anos de idade as crianças falam porque, para eles, é prazeroso. As crianças não tem preconceitos, nem noção de cheiro bom ou ruim e descobrem que é capaz de produzir algo. Isso traz uma satisfação muito grande.

Já a Deborah Patah Roz, psicóloga do Instituto da Criança em São Paulo, diz*:

Por volta dos 2 anos, por exemplo, essa satisfação está associada ao xixi e cocô. Mais tarde junta-se a esse prazer o fato de a criança descobrir algo socialmente inaceitável, que permitirá a ela desafiar os pais.

Ou seja, as crianças querem chamar a atenção! No momento que as reprimimos, elas descobrem um meio perfeito na escatologia e quanto MAIS nos irritam, mas elas vão fazer. Logo descobrem os sons que podem produzir, como pum e arroto, e vão para uma outra tentativa de nos desestabilizar para terem atenção.

Todos psicólogos são unânimes em dizer que a melhor forma de atravessarmos essa fase é não ligarmos. Deixe cantar, deixe arrotar e deixe dar pum. Não se irrite. Ao fazermos isso essa fase desaparece rapidinho. E se você conhece uma criança lá pelos 5, 6 anos e idade que ainda fazem isso, pode saber que os pais davam bola toda as vezes que ela aprontava algo assim.

Estão pais  e mães, quando seus Padawans entrarem na fase escatológica, não dê tanta atenção. Ignorarem as provocações deles que logo logo essa fase fedida passa.

Imagens via https://www.shutterstock.com