Assisti Moana mais de 100 vezes com minha filha e cada dia amo mais!

Olha que relato bacana do Tyler Kirk , pai de uma Jovem Padawan. A filha ama Moana – já deve ter visto mais de 100 vezes – e Kirk explica a razão de não ter surtado em ter assistido tantas e tantas vezes essa animação com sua filha. Ele lista 5 razões e quero compartilhar com vocês.

Confira depois da imagem:

Nossa filha é obcecada pela Moana, ou “Nana”, como gosta de chamá-la. Por quê? Pode ser por causa das músicas cativantes, ou talvez as cores brilhantes ou, definitivamente, o fato de termos permitido esse vício. Nós compramos roupa de cama, as bonecos, o porquinho de pelúcia e atualmente estamos tentando reservar uma fantasia da Moana para seu segundo aniversário, que será em poucos meses.

Que Odin nos ajude quando Moana sair da Netflix (Moana está no catálogo nos EUA).

Certamente depois de dois dias, direto, assistindo, ficaremos enjoados de só de olhar para a cara dela, certo? Olha, normalmente eu diria sim. Só de assistir Baby Shark e similares por 15 minutos já temos vontade de bater a cabeça na parede, imagine então dias e dias de Moana? Mas, por incrível que pareça, não nos cansamos da Nana, pelo menos depois das primeiras cem vezes que assistimos. E há cinco razões por causa disso:

1. Não tem subtrama romântica

O relacionamento de Moana com o semideus Maui é estritamente comercial; ela precisa de seus poderes divinos para completar sua busca. Claro, eles se tornam amigos e tal, mas não há adolescentes românticos, nem príncipe e princesa e nada dessas besteiras. Isso mostra à minha filha que homens e mulheres podem ser estritamente amigos, quando a maioria dos outras dramas, comédias e filmes passam horas shippando os personagens e criando um drama de relacionamento.

2. Moana pensa criticamente sobre as regras e as quebra porque elas não fazem sentido

Inicialmente, ela é proibida de navegar para além das águas calmas do recife de barreira da sua ilha (como todos na sua aldeia). Enquanto se prepara para amadurecer e assume o seu lugar como chefe da aldeia, apresentam uma pergunta: o que fazer quando não há mais peixe para pescar? Moana questiona as suposições (“ninguém vai além do recife!”) E reclama que o contexto das regras em vigor não se encaixa em sua situação atual.

Ela corajosamente propõe ir além do recife – onde deve haver mais peixe – para o desalento furioso de seu pai. Isso encoraja minha filha a pensar em um nível mais profundo sobre autoridade e suas prioridades; quem está no comando? Qual é o objetivo deles? Qual foi o contexto dessa regra sendo feita? Com certeza, é um pouco difícil para ela agora, mas não é cedo demais para apoiar seu lado progressivo.

3. Moana é corajosa e soluciona problemas

Quando sua primeira tentativa de navegar além do recife não vai bem, ela se resigna a uma vida presa na ilha. Mas o chamado do horizonte ilimitado do oceano é muito forte, e ela usa a morte de sua avó como cobertura para escapar e sair em busca de Maui. Ela é uma orgulhosa marinheira autodidata e tem a ousadia de pegar Maui pela orelha e exigir que ele a ajude com sua missão. Mais tarde, é Moana que rapidamente cria um desvio para que ela e Maui possam escapar das garras de um enorme caranguejo quando seu anzol mágico não funciona como esperado. Quando Maui sofre uma crise de fé e a abandona mais tarde, Moana prossegue em busca de seu objetivo, rejeitando a ideia de que ela precisa de sua ajuda depois de perceber como ela já navegou mais do que qualquer outra pessoa em sua aldeia.

4. A vovó é faz uma aparição de um Mestre Jedi

Sério, é difícil capturar esse momento em palavras. Esta parte do filme ainda me leva a lágrimas viris. É um clássico “Obi-Wan aparecendo para Luke Skywalker” em O Império Contra-Ataca ou fantasma de Yoda aparecendo para Luke em O Último Jedi, e é puramente incrível. Esta pode ser minha parte favorita do filme, honestamente. A trilha sonora cresce e Moana mergulha de cabeça para continuar quando as coisas parecem sombrias. Isso mostra à minha filha que mesmo que o mundo pareça estar contra ela, ser quem ela é é o suficiente

Moana leva seu conhecimento de volta para a aldeia e ensina os homens. Ao longo de sua jornada, Moana descobre as antigas técnicas de descoberta de caminhos que permitiram que seu povo navegasse por todo o Pacífico. Seu conhecimento suado a torna excepcionalmente qualificada para ensinar aos outros, e ficamos com Moana mostrando a seu pai como navegar em mar aberto – depois que ele insistiu anteriormente que era perigoso demais para ser feito. Ela ajuda os outros a crescerem, ensinando. E ao fazer isso, restaura em a confiança de serem, novamente, navegadores.

5. Seu enredo é o clássico “A Jornada do Herói”, mas de uma forma que capacita meninas

O que precisamos agora mais do que nunca é uma geração de mulheres fortes e corajosas para enfrentar o status quo e criar um mundo melhor. Estou me esforçando para criar uma dessas mulheres, e se Moana for de alguma ajuda nessa tarefa – e ela é – então eu vou adorar em vê-la na TV mais e mais vezes.