Cultura Pop Archives - Página 5 de 5 Nerd Pai

Categoria “Cultura Pop”

31/10/12

É a Grande Abóbora, Charlie Brown!

> Autor: Ronaldo Gogoni > Categoria: Cultura Pop

“Prece ou prenda, grana ou merenda?”

Eu não escondo de ninguém que um dos meus desenhos animados e quadrinhos favoritos é a turma do Charlie Brown. E um dos episódios que eu mais gostava era o especial de Halloween, “A Grande Abóbora” (It’s the Great Pumpkin, Charlie Brown no original).

É a Grande Abóbora, Charlie Brown

Tudo começa quando Linus inventa a história incrível sobre a visita da Grande Abóbora, e resolve esperá-la do campo enquanto as outras crianças saem pela vizinhança para ganhar doces. Pobre da Sally que, por morrer de amores por ele, também embarca nessa. Enquanto isso, Charlie Brown fica confuso ao receber um convite para a festa, mas mal sabe ele que é só para ser ridicularizado pela Lucy, como sempre.

Olha o episódio inteiro aí (infelizmente redublado, com o Selton Mello na voz do Charlie Brown. Não desgosto, mas a versão da Maga é clássica).

Snoopy – É a grande Abóbora Charlie Brown por Meron no Videolog.tv.

É nesse episódio que ocorre uma das cenas mais surreais de todos os tempos: enquanto todas as crianças ganham pencas de doces dos vizinhos, o pobre Charlie Brown só recebe… pedras. Na boa, o que há com essa gente? (aqui sim a versão da Maga, com o saudoso Marcelo Gastaldi – aka Chaves/Chapolin – como Charlie Brown)

Aproveitando a data deixo aqui a dica do app It’s the Great Pumpkin, Charlie Brown!

É a Grande Abóbora, Charlie Brown

Ele é na verdade um livro interativo, onde você pode reviver as passagens mais marcantes do especial, desde escolher uma fantasia original para pedir prendas, cantar acompanhando o piano do Schroeder, pegar maçãs para o Snoopy, cortar abóboras e muito mais.

É a Grande Abóbora, Charlie Brown 1

O aplicativo custa US$ 2,99 e está disponível para iOS Android.

Happy Halloween e espero que não receba pedras de prenda! 🙂

06/09/12

Seja como a água – Bruce Lee

> Autor: Ronaldo Gogoni > Categoria: Cinema, Cultura Pop

Lembro-me que na adolescência eu devorei os filmes do Bruce Lee como um aficcionado. Sua técnica e velocidade dos golpes eram algo absurdo, inatingível para a maioria dos mortais. Por um bom tempo alimentei o desejo de praticar Kung-fu, sem nem ter conhecimento do estilo de luta que Bruce criou, o Jeet Kune Do.

Seja com a água - Bruce Lee

Os golpes deles eram tão, mas TÃO rápidos que ele era obrigado a desacelerar, senão a câmera não conseguia capturar os movimentos. A luta que todos costumam citar é a que ele varreu o chão com “o mito, a lenda” Chuck Norris, no filme O Voo do Dragão:

Mas ele também era um sábio. Numa entrevista concedida em 1971 no programa The Pierre Berton Show (e que se julgava perdida, até ser recuperada e devidamente postada no YouTube), Bruce nos deixa um valioso ensinamento:

“Esvazie sua mente, não tenha forma, seja maleável, como a água. Se você coloca água numa xícara ela se torna a xícara. Se a coloca numa garrafa, ela se torna a garrafa. Se a coloca num bule, ela se torna o bule. A água pode fluir, ou pode esmagar… seja como a água, meu amigo.”

Nós temos que nos moldar às adversidades que enfrentamos, e não o contrário. Sejamos fluídos e maleáveis em qualquer coisa que façamos na vida, e não haverá problema intransponível. Sejamos tal qual Bruce era, com golpes tão suaves e poderosos. Como água.

E fiquem com esse remix sensacional, cortesia de melodysheep. Não deixem de acessar o canal e conferir “A Glorious Dawn”, também conhecida como A canção de Carl Sagan. 🙂

17/08/12

Call Parade – Orelhões em São Paulo

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Cultura Pop, Curiosidades

Em 1970 a arquiteta Chu Ming (1941-1997) fez o projeto dos orelhões da cidade de São Paulo. Ela uniu acústica e simplicidade e teve sucesso. Tanto que até hoje ninguém cogita a idéia de mudar o nosso orelhão (já tentaram com aqueles de cimento mas não deu certo)

Call Parade - Orelhões em São Paulo

Hoje em dia é raro ter gente usando orelhões. Todos tem um celular.  Porém a Vivo, que tem a concessão da telefonia fixa em São Paulo, resolveu inovar com a Call Parade.

Vários artistas soltaram a imaginação e criaram orelhões únicos.  Eles estão na rua, em São Paulo, em uma exposição a seu aberto. Confiram alguns deles:

Call Parade - Orelhões em São Paulo Vivo

Call Parade - Orelhões em São Paulo Vivo

Call Parade - Orelhões em São Paulo Vivo

Call Parade - Orelhões em São Paulo Vivo

Call Parade - Orelhões em São Paulo Vivo

Fantástico, não? Coisas assim conseguem mudar seu humor ao andar na rua. Confira mais fotos aqui.

Agora, o que eu achei estranho, é que fiquei sabendo dessa Call Parade em um site americano. Não vi ninguém divulgando no Twitter, Facebook ou blogs. Ei VIVO, estamos aqui para isso 🙂

28/02/12

Aquaman – Quem que ser esse herói? Acho que nem ele quer

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Cultura Pop

Aquaman foi criado pelo  Paul Norris e Mort Weisinger em 1941. Ele servia como backup caso algum outro desenhista atrasasse seus quadrinhos! Ou seja, aparecia apenas quando Batman ou Superman estavam atrasados. Tanto que o coitado do Aquaman apenas foi capa 20 anos depois de sua criação.

De todos os heróis que conheço, Aquaman é o mais menosprezado do mundo dos quadrinhos! Sério, qual o poder dele? Respirar debaixo d’água e conversar com os peixes? Qual a utilidade disso?! Nos 71 anos de vida desse herói tentaram dar uma revitalizada nele! Nunca vi um personagem mudar tanto como ele:

Aquaman - Quem que ser esse herói?

E no mundo dos quadrinhos, os heróis também não curtem muito ele não:

aquaman

Hoje, com  o debate do meio ambiente correndo solto, ele seria um bom herói, tipo um Capitão Planeta? Ora, ele pode pedir para os peixes fiscalizarem os navios pesqueiros e se tem algum ponto de poluição no mar! E você, o que acha desse herói?

Fonte: Wiki e Tumblr

22/12/11

Arte de Rua – Melhores de 2011

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Cultura Pop

Aqui em São Paulo encontramos bastante Grafite pelas ruas! Para quem não sabe, Grafite:

Uma inscrição caligrafada ou um desenho pintado ou gravado sobre um suporte que não é normalmente previsto para esta finalidade. Por muito tempo visto como um assunto irrelevante ou mera contravenção, atualmente o grafite já é considerado como forma de expressão incluída no âmbito das artes visuais,[1] mais especificamente, da street art ou arte urbana – em que o artista aproveita os espaços públicos, criando uma linguagem intencional para interferir na cidade. Entretanto ainda há quem não concorde, pois acaba comparando o grafite com a pichação, que é bem mais controverso.[2]. Sendo que a remoção do grafite é bem mais fácil do que o piche. – Wikipédia

Olhe que lindo esses aqui em São Paulo:

 

grafite São Paulo street art

Lindos, não? E agora veja as melhores Artes de Rua de 2011 (é de cair o queixo!)

Arte de Rua - Melhores de 2011 - Street Art