Dicas de segurança digital para crianças e adolescentes

As temidas férias escolares já estão chegando e o que significa isso? Desespero dos pais com a molecada tudo em casa aprontando mais que o Kevin em Esqueceram de Mim.

Mas faz parte e os pais precisam estar preparados para entreterem os Padawans. Claro que não tem como fazermos isso 100% do tempo. A solução é usarmos de artifícios tecnológicos: tablets, smartphones, computadores e videogames.

Porém Pequenos Gafanhotos, não podemos apenas oferecer um mundo online para os nossos filhos e deixá-los lá, sem monitoramento. Isso é um risco – e dos grandes – e precisamos estar atentos SEMPRE e incluir certas rotinas de segurança.

Para ajudar a aumentar a segurança digital e evitar expor os Padawans de maneira perigosa na rede, os especialistas da PSafe, empresa brasileira especializada em segurança digital, reuniram uma série de orientações, de modo a auxiliar os pais a orientarem seus filhos sobre como interagir com o mundo virtual – e reagirem a perigos que nele se escondem.

São seis orientações que vão ajudar muito nossos Padawans a terem segurança online:

Oriente sobre o uso da internet e estabeleça canal aberto para conversas

Conversar com os Padawans é a chave. Ter um canal aberto com seu filho é a principal chave para manter uma relação sadia e com menos riscos na internet. Por esse motivo, estabeleça uma rotina de conversa, de modo que ele tenha em você uma fonte segura para levar suas preocupações, dúvidas ou pedidos de conselho.

Tenha atenção ao uso de redes sociais

Muitas crianças  estão usando as redes sociais. O ideal é que as redes sociais sejam utilizadas por crianças apenas a partir dos 13 anos, pois estas já possuem maior discernimento sobre os conteúdos expostos que devem ou não serem visualizados. Porém, apesar de não recomendável, cabe aos pais decidirem quando permitirão que seus filhos tenham acesso.

É importante ter em mente que, ao mesmo tempo que podem atuar como um dos principais meios de comunicação das crianças e adolescentes com seus amigos, as redes aumentam a vulnerabilidade e o possível acesso a conteúdo impróprio para suas idades.

Por esse motivo, é recomendável que você ensine, desde cedo, como devem ser utilizadas e os riscos contidos nas redes sociais, além de ter atenção e acessar, de tempos em tempos, o perfil do seu filho para verificar o que vem sendo dito e para quem.

Limite o acesso às páginas

Simples erros de digitação são capazes de expor a criança a conteúdos inapropriados para a sua idade. Se o seu filho quiser ver vídeos no Netflix, por exemplo, e digitar M ao invés do N, terá acesso a um site de conteúdo adulto. Por isso, é de extrema importância que você limite o acesso, bloqueando páginas e conteúdos e autorizando apenas links confiáveis. Avalie qualquer página antes de liberar o acesso e confira se ela oferece um cadeado próximo ao endereço, o que reforça sua segurança.

Oriente a não falar com estranhos e dar informações pessoais

A orientação “Não fale com estranhos” vale tanto no mundo físico como no virtual. Explique para o seu filho que, caso receba uma mensagem de pessoas desconhecidas, não responda e avise um adulto imediatamente. Lembre-o que a internet facilita o anonimato, devendo-se tomar todo o cuidado com informações compartilhadas com estranhos. O mesmo deve ser feito com o recebimento de links. A recomendação deve ser não clicar e procurar pelo seu apoio. Essas medidas podem evitar que ele converse com pessoas mal-intencionadas e acesse conteúdos impróprios ou infectados.

Tenha softwares de segurança instalados nos dispositivos

Alguns sites contêm códigos maliciosos que conseguem roubar dados registrados no aparelho. Para proteger a sua privacidade e do seu filho, tenha sempre à mão soluções de segurança como antivírus e antiphishing (bloqueio de mensagens falsas para “pescar” informações pessoais, fotos e senhas). O app gratuito PSafe Total, por exemplo, aplicativo gratuito disponível na Google Play, disponibiliza diversas funções capazes de garantir a sua privacidade.

Ensine sobre privacidade na internet

É cada vez maior o número de casos de vazamento de informações pessoais e fotos na internet. Para não pôr em perigo a juventude do seu filho, oriente-o que nem tudo pode ser compartilhado online, pois, uma vez que o conteúdo é enviado para terceiros, perdemos totalmente o controle sobre ele. É importante destacar o que não deve ser compartilhado, até mesmo com amigos, e por quais razões.

Caso você descubra que seu filho é vítima de cyberbullying, um tipo de “chantagem virtual”, é importante não brigar ou julgar. Lembre-se que a vítima nunca tem culpa. Mantenha a calma e tenha uma conversa tranquila e compreensiva, reforçando que você está ao lado dele. Além disso, tome medidas legais contra essa ação, visando penalizar os responsáveis por esse crime.

Imagens via https://www.shutterstock.com/