O que eu aprendi sobre o mar com a minha filha? #VidaDePai 146

O meu filho mais velho tem quase 8 anos e conheceu o mar quando tinha menos de 1 ano de idade. Não parava de comer brincar na areia,  se assustava com o som das ondas e adorava ficar molhando os pés na beira do mar. Foi lindo em ver o seu primeiro contato com uma das maiores forças da natureza.

Por algumas razões de logísticas, minha filha de 2 anos conheceu o mar somente agora. Juro que ficava com peso de consciência de não ter a levado para conhecer a praia antes e decidimos que iríamos, de qualquer maneira, nas férias de janeiro. Usamos o Booking para encontrar uma pousada e a Peugeot nos cedeu um 2008 novinho para essa empreitada.

O resultado foi que aprendi uma lição sobre o mar com a minha filha.

Quando levamos nossos filhos muito novinhos para conhecer o mar, geralmente eles não entendem muito bem do que se trata. Claro que gostam (até porque nem tem como não gostar da praia), mas por causa da pouca idade acabam não tendo a dimensão daquela imensidão de água.

Como minha filha tem 2 anos e já entende um pouco desse mundinho que a cerca, no momento que ela colocou o pé na areia e percebeu que o tanquinho de areia da escola pode ser muito maior, saiu correndo em direção à água. Sabe quando as tartaruguinhas nascem e saem na corrida para o mar? Então, ela fez a mesma coisa.

Naquele momento percebi que a demora dela conhecer o mar foi excelente! Como ela já tem um certo discernimento por causa da idade, ficou admirada e não parava de rir e berrar. Eram tantas coisas que ela poderia fazer que parecia que tinha tomado uns 3 litros de Red Bull, de tanta animação. Mas nada se compara no momento que ela confrontou o mar.

Ela parou na beira do mar e o contemplou. Ficou ali vendo aquele vai e vem das ondas e começou a se arriscar em colocar seus pés na água. Na primeira vez, colocou e tirou rapidinho quando sentiu uma pequena onda. Já na segunda, entrou com os dois pés e quando piscamos os olhos já estava rolando na água.

Como o irmão mais velho estava bem habituado com o mar, tudo ficou mais fácil. Ambos pareciam um bando de labradores! Não paravam de entrar e sair do mar correndo feito uns malucos! Como a praia que estávamos era bem calma e bem rasa (a famosa Baleia do Nissim Ourfali e seu Bar Mitzvah), a Fá e eu ficamos sentados da areia vendo ambos se divertirem! A nossa cara de bobo naquele momento era linda de se ver 🙂

Bem, voltando ao título do post, aprendi com minha filha que é muito bacana adiarmos a ida dos nossos filhos à praia. Esperar eles crescerem um pouco irá potencializar o seu primeiro contato. E a melhor parte é que tenho CERTEZA que ela lembrará quando crescer a primeira vez que viu o mar. Eu nasci em Santos e não me lembro como foi. Meu filho também não lembra. Agora, ela, certamente irá se lembrar para sempre desse momento.

AGRADECIMENTOS

Aqui fica meu agradecimento à Peugeot Brasil por ter emprestado um 2008 para essa viagem. Estamos amando o carro e várias coisas nele o faz como sendo ideal para as famílias.

O Peugeot 2008 tem um excelente espaço interno. Só para você ter ideia, muitos carros é impossível caber um adulto no meio de duas cadeirinhas. Nesse dá e fica muito confortável. Como pegamos mais de 4 horas de estrada, eu ficava às vezes lá atrás junto com os meus filhos para entrete-los. Um espaço que transformou a viagem bem mais divertida.

O sistema multimídia  do 2008 é compatível com o Apple Car e com o Android Auto. Basta conectar o cabo USB e você tem acesso aos apps do seu smartphone. Fiz uma lista de músicas no Spotify e na hora do aperto, colocava para eles. Desde Galinha Pintandinha até Katy Perry fizeram parte da programação.

Na volta, fomos amadores e saímos tarde. O resultado? 7 horas de estrada. Transito que não acaba mais. E aqui o 2008 nos ajudou a ter uma viagem, apensar de longa, agradável. Como? Conto em um novo post durante a semana 🙂