“Sou mãe e odeio abraçar meus filhos”

Li um post de uma mãe que não curte abraçar ninguém, incluindo seus filhos e marido. Claro que ela se sente culpada e tal por causa disso e está lutando para mudar essa situação. Ela sabe que certas demonstrações de afetos são importantes para as crianças e, como mãe, ela quer mudar isso!

Traduzi o texto (logo depois da imagem) e vamos conversar sobre nos comentários, ok?

Você conhece aquelas pessoas que são naturalmente calorosas? Esses tipos de pessoas acolhedoras que o envolvem em um grande e reconfortante abraço no momento em que o vêem? Sim, não sou uma dessas pessoas. A triste verdade é que eu odeio os abraços.

Sempre desejei ser uma dessas pessoas, mas não sou. Cresci em uma família que não era fisicamente afetuosa. Como resultado, cresci para ser uma pessoa que não é decididamente uma abraçadora. Até porque sou introvertida e gosto de ficar na minha, ajudando então esse lance de não curtir muito as pessoas.

Mas há algo sobre o abraço, em particular, que me faz sentir como um robô posando como humano.

Quando meu marido se aproxima de mim, eu automaticamente me endureço. Quando meus filhos querem abraçar, eu sinto que tenho que forçar meus membros a fazer o que eu sei que as mães devem fazer – abraçar seus filhos. Quando eu saúdo familiares e amigos, eu me controlo para não romper um abraço cedo demais: OK, um, dois, três … agora é seguro deixar ir.

À noite, gosto do meu espaço. Depois de um dia inteiro de interação e ser social, me desligo dentro do meu pequeno casulo para se regenerar para ser um membro respeitável da sociedade na manhã seguinte. Me cubro e afasto o mundo de mim. Durmo com meu marido na cama? Esqueça; É como tentar abraçar com Chewbacca. Na verdade, eu sou uma dessas esposas que é bastante feliz por ter toda a cama só para mim, e é um segredo que eu sinto que tenho que levar para o meu túmulo. As mulheres devem estar constantemente com frio, né? Então, o que diabos está errado comigo?

Às vezes, tento descobrir por que eu sou o jeito que eu sou. Eu fui traumatizada quando era criança? Eu sou secretamente algum tipo de sociopata? Eu sou o estereótipo de uma esposa fria e amarga cujo marido será forçado a arrumar uma outra mulher? Não consigo digitar essa última afirmação sem que os olhos estejam jorrando lágrimas.

Existe uma conexão entre negligência emocional da infância e abraço. As crianças que cresceram com pais ou cuidadores que não atendiam suas necessidades emocionais tendem a evitar o afeto físico, como abraçar. Então, talvez, é possível que exista um link do meu passado que me levou a desenvolver o tipo de mulher que não se sente confortável com o abraço.

E não é que eu odeio abraços por causa dos abraços. Agradeço o gesto; Eu realmente queria estar mais confortável com o abraço. A verdadeira questão que tenho com o abraço é como eu respondo ao ato. É como se todo abraço me lembrasse de algum desconforto. Cada abraço sinaliza um flashback para uma infância inteira e me faz pensar o que está errado comigo? Assim como as coisas de se entrosar em uma festa pareciam vir naturalmente para outras pessoas, mas não para mim. O calor físico era apenas mais uma coisa para adicionar à minha lista de “coisas que eu sou socialmente estranhas e preciso fazer”.

Minha falta de calor físico nunca me incomodou muito até me tornar uma mãe de crianças  mais velhas. Os bebês que se aconchegavam e os abraçavam vieram naturalmente para mim, mas abraçando crianças mais velhas? Eu preciso trabalhar sobre isso, pois acredito que é importante manter essa conexão à medida que crescem. De muitas maneiras, acredito que é ainda mais importante do que era quando eram bebês.

Conectar fisicamente com um bebê acontece organicamente através de mudanças de fraldas, alimentação e o ato de carregá-los em todos os lugares. Mas crianças mais velhas? Todos os dias podem passar sem que eles precisem de nada de maneira física. E essa falta de interação física aumenta.

Por exemplo, quando minha família toda se junta no sofá para assistir um filme, meus filhos vão em direção ao meu marido para se aconchegarem. E isso acontece desde que eram um pouco mais jovens e acabam não me considerando fofinha.

Então, estou trabalhando nisso. Eu sei que é importante manter essa conexão física com meus filhos. Lembro-me quando meu marido e eu namoramos, estávamos saindo na cozinha com sua mãe. Observá-lo como um jogador de futebol adolescente varrendo sua mãe para um grande abraço de urso, pensei em mim mesmo, eu quero que algum dia um filho abrace assim.

Então, eu comecei devagar. Pego meu filho que está perto de mim no sofá, o aconchego para dormir e o abraço por alguns minutos antes de irem para a cama. E tudo isso fazendo esforços extras para abraçá-los ao longo do dia.

Parece tão tolo que eu tenho que fazer um esforço dedicado para abraçar meus filhos mais, mas todos nós temos algo em que precisamos trabalhar como pais, certo? O meu é de apenas estar se abraçando como uma pessoa normal.

Ah, e se meu marido está lendo isso? Desculpe, querido. Não haverá conchinha à noite. Mamãe vai precisar de um espaço depois de todo esses abraços extras.

Via Babble e Imagens via https://www.shutterstock.com