Opinião Archives - Página 29 de 41 Nerd Pai

Categoria “Opinião”

08/10/12

E chegou aquele momento que muitos pais passam: será que o meu Padawan é hiperativo?

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Educação, Opinião, Padawan

Corre, fala, brinca, pula, cai, ri e se diverte. O Padawan é toda essa mistura aí e mais um pouco. No fim-de-semana então parece que ele fica ligado no 220. Claro que adoramos isso! Porém é inevitável, quando estamos em algum parque ou Shopping, comparar nossos Padawans com os outros. Olha aquele ali, da idade do Padawan, como ele esta quietinho sentando à mesa! Viu Padawan, aquele menin…..Padawan, onde você vai?!?!? , e por aí vai. E um dias desses a Fá virou para mim e disse: Será que o Padawan é hiperativo?

E chegou aquele momento que muitos pais passam será que o meu Padawan é hiperativo

No Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, da Associação Americana de Psiquiatria, a criança para ser diagnosticada como hiperativa tem de ter, pelo menos, seis das características abaixo pelo período mínimo de seis meses:

  • Ser inquieta (mexendo as mãos e os pés ou não parando quieta na cadeira);
  • Ter dificuldade em permanecer sentada;
  • Se corre sem destino;
  • Se tem dificuldade em fazer uma atividade quieta ou em silêncio;
  • Se fala excessivamente ou interrompe conversas de outras pessoas – sem pedir licença;
  • Responder a perguntas antes delas serem formuladas;
  • Agir como se fosse movida a motor;
  • Ter dificuldade em esperar a vez.

Só analisando essas características excluímos a possibilidade do Padawan ser hiperativo. Claro, ele tem uma ou outra características acima, mas não tem seis. Porém é importante TODOS os pais saberem dessas características para que possam estar sempre monitorando o comportamento dos seus pequenos. E se realmente tiver mais de seis dessas características, procurar ajuda, pois o hiperatividade é prejudicial para o seu desenvolvimento. E quando não tratado, as chances de desenvolver o DDA, Distúrbio de Déficit de Atenção, aumenta.

Agora fica uma dica para os pais e mães: sabem no começo do texto que disse que comparamos o Padawan com outras crianças? Então, muitas vezes a criança que esta ali, sentandinha e comportada, acabou de aprontar algo e levou uma bela bronca. Aí pensamos que ela é sempre assim, comportada. O Padawan também fica sentando e comportado. Principalmente depois das broncas. E muitos pais pensam a mesma coisa: Nossa, que menino comportado! 🙂

Lembre-se: crianças gostam de brincar e são agitadas. Apenas cuidado para não misturar as coisas, pois o diagnóstico correto é realizado quando a criança tem mais de 05 anos de idade. E o mais importante: nunca perca o controle.

Pesquisa: Viavia e via

04/10/12

Qual a hora de apresentar Star Wars para o Padawan?

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Opinião

Ainda não assisti nada de Star Wars com o Padawan. Como ele tem apenas dois anos, não é uma boa ideia pois ele não consegue assistir um filme/desenho por muito tempo. E ainda tem que ele não vai entender nada. (esse post aqui dá uma ideia disso).

Claro, algumas coisas já estão certas: irei começar pelo Episódio IV. Quero ficar vendo a reação dele ao descobrir que o Darth Vader é o pai do Luke. Olha, vai ser lindo.

O site Lunarbaboon me enviou um tweet agradecendo a citação que fiz deles nesse post:

 

Ao entrar no link fiquei surpreso. Todos ficam ansiosos para que os pequenos Padawans curtam seus filmes preferidos, principalmente a Saga Star Wars, e ficam impacientes e com medo com isso. Bom saber que não sou só eu 🙂

Confiram o quadrinho intitulado Waiting (Esperando):

Confiram o quadrinho original feito pelo pessoal do Lunarbaboon

02/10/12

Infância livre de consumismo

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Opinião

Existem sites, blogs, perfis no Twitter e fanpages que tratam desse assunto: infância livre de consumismo. Todos eles são contra a forma que a publicidade é dirigida às crianças.

Nossos Padawans são bombardeados absurdamente por publicidade de brinquedos nos intervalos de seus programas favoritos. Seu filho vendo Ben 10 e aparece o último lançamento megablaster do boneco que corre e fala. Como lidar? Eu digo: controlando e mediando o que seu Padawan assiste.

Infância livre de consumismo

Jogar a responsabilidade para o Governo em regulamentar as propagandas direcionadas às crianças é uma forma de terceirizar a educação do seu filho. Ora, você, pai e mãe, deixam eles assistindo sozinhos a televisão?  Não é melhor assistir com eles, mediando o que eles estão vendo? Ao aparecer uma propaganda de um brinquedo e ele começar a mostrar interesse, converse. Fale que ele já tem vários. Aí nesse momento você  pega um brinquedo antigo e comece a brincar com ele.

Claro que estou falando de Padawans pequenos, de 01 a 03 anos de idade. Os maiores já assistem sozinhos e tal. Porém se eles são educados desde pequenos o consumismo acaba ficando de lado e será uma preocupação a menos para os pais. O erro esta em usar a televisão como babá. Evitem isso ao máximo!

Dia das Crianças esta chegando. Padawan vai ganhar um presente? Sim, iremos dar um presente que tanto eu como a Fá iremos brincar com ele  e não um para que ele fique sozinho brincando. Assim ele dará muito mais valor ao brinquedo e não perderá o interesse tão fácil. Não será um presente vazio.

Pai e mãe, você tem o poder de educar corretamente o seu Padawan. Comece a participar mais da sua vida. Assista televisão com ele. Converse e viva uma vida longe do consumismo. Pare de culpar governos e faça a sua parte. É difícil? Sim, ninguém disse que é simples, mas não é impossível. Só depende de você e de mais ninguém.

Imagem Via

02/10/12

Nunca se esqueça de tirar sua roupa de trabalho

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Opinião

Todos trabalham duro para dar conforto para a família. Enfrentam trânsito, reuniões chatas, clientes ou chefes marrentos e frustrações. Precisamos conviver e saber lidar com isso pois, caso contrário, você fica louco rapidinho.

Depois de um dia de trabalho, você quer é chegar em casa, tomar um banho, jantar e descansar esparramado no sofá. Porém tem um detalhe: você tem um Jovem Padawan que esta morrendo de saudades do pai ou da mãe:

Nunca se esqueça de tirar sua roupa de trabalho. E, lembre-se, brincar com o seu Padawan é divertido e revigorante. Acredite.

Via Lunarbaboon

25/09/12

A volta do Ah Ah – Duvido você não chorar

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Opinião, Vídeo

Fico olhando como o Padawan trata seus brinquedos. Alguns ele prefere mais que os outros e os carrega para todo canto. Já tivemos de ficar procurando por toda a casa algum que ele queria e estava perdido. E, por sorte, sempre achamos.

Alguns criticam esse amor por algo material e tal. Eu defendo. Ao perder um brinquedo que tanto ama os Padawans aprendem que as coisas vão embora. Um brinquedo, uma roupa, um animal de estimação e os pais, um dia, não estarão mais aqui. E como pais precisamos educar nossos Padawans a lidar com as perdas.

Somos pais e nunca queremos que nossos Padawans sofram. Mesmo aprendendo que as coisas se perdem, morrem. Se você tivesse o poder de evitar isso, iria exercê-lo?

Um Jovem Padawan ganhou um macaquinho azul. Deu o nome de Ah Ah. Certo dia, ele perdeu esse macaquinho. Os pais não pararam de procurar e três anos depois o encontraram em outro Estado.

Vejam e segurem o choro:

Padawan, recado para você:

Farei o possível e o impossível para amenizar sua dor quando você perder algo. Perder faz parte da vida. Você cresce com ela. Sofreremos juntos toda vez que você perder algo. Assim nós dois cresceremos juntos também.

E obrigado ao Helio Marcos de Faria por compartilhar esse vídeo comigo.

25/09/12

Classificação indicativa – Ted e Protógenes

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Opinião

Antes de levar o Padawan ao cinema faço duas coisas: vejo o trailer do filme e a classificação indicativa. Ambos precisam estar de acordo com a idade dele.  Não sou maluco em levá-lo em um filme com classificação indicativa imprópria.  E acredito que não preciso explicar a razão, né?

indicacao indicativa

 

Um Deputado e ex-delegado da Polícia Federal levou o seu filho ao cinema no último fim de semana. Ele foi assistir Ted. Ok, entendo, que o cartaz do filme é um ursinho de pelúcia lindinho e fofinho. Padawan quando viu o cartaz ficou com os olhinhos brilhando:

Cartaz do filme ted protógenez

Indignado o Deputado soltou esse tweet:

 

Eu teria a mesma reação se por acaso o cartaz, o trailer e a sinopse do filme não tivessem a classificação indicativa correta do filme. E ela é bem clara: 16 anos.

Jovens Padawans e Mestres Jedis, qual é a primeira coisa que vocês reparam no cartaz desse filme acima? Sim, o Ted esta com uma Long Neck na mão. Nesse momento já achamos que tem algo errado. Na hora iria procurar a classificação indicativa desse filme. Pronto, sua decisão seria tomada: não levar os Padawans para assistirem. Simples, não? E procure aí, TODOS os posters do filme tem algo que indica que não é para criança.

O que ocorreu é que o Sr Deputado não deve ter visto o cartaz, o trailer e nem a classificação indicativa do filme! E ao invés de assumir o erro, preferiu culpar o Ministério da Justiça e o filme.

Enfim, fica a dica para todos os pais e mães: antes de levarem o seu Padawan ao cinema, olhem no mínimo a classificação indicativa do filme. Eu sei que todos são ocupados e tal e não conseguem ver o trailer, mas pelo menos se o filme é compatível com a faixa etária vocês precisam ver! E o que não falta nos cinemas são cartazes. E esse tipo de cartaz é impossível de não ver:

Classificação indicativa - Ted e Protógenes

 

12/09/12

Legendado ou Dublado, eis a questão

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Cinema, Opinião

Sempre preferi filmes legendados, com o som original. Vira e mexe vejo discussões do que é melhor, filme legendado ou dublado? “Eu prefiro muito mais o som original do que a dublagem“, “Odeio ter de ler as legendas” são os argumentos que a maioria dão sobre esse assunto.

Ter um Padawan te dá a oportunidade de conseguir rever certos conceitos. Um deles é sobre isso. Como assisto mais de 100x a mesma animação eu alterno o inglês e português para mudar um pouco e acabei tendo algumas boas surpresas por causa disso.

Bem, para mim agora, prefiro dublado para alguns tipos de filmes. Confiram abaixo uma pequena cena da animação Gato de Botas dublado e com o som original:

  • ORIGINAL (inglês):

  • DUBLADO (português):

Quem fez a dublagem foi o Alexandre Moreno, que já dublou mais de 40 filmes. Ele dubla o Adam Sandler, Al Pacino (nos três filmes d’O Poderoso Chefão), Antonio Banderas (ele dublou O Gato de Botas em inglês), Ben Stiller, Ben Affleck entre outros.

Alexandre Moreno e Antonio Banderas
Alexandre Moreno e Antonio Banderas

O Alexandre Moreno usa um sotaque espanhol e  mistura o português com o espanhol, mais conhecido como portuñol, em várias cenas.

Hey, que passa?

Usted, usted, usted, pare já donde esta!

Diferentemente do Antonio Banderas que apenas fala em inglês com sotaque (ele é espanhol). Perceberam que a nossa dublagem ficou muito melhor que a original? E o Jack e Jill então? Usaram sotaque e  expressões do interior do Brasil dando muito mais personalidade aos dois.

Uai, um bebê nosso Jill, pra nóis criar sorto que nem um tatu!

O que eu defendo é que em animações/desenhos nossas dublagens são perfeitas e até melhores que as originais. Isso ocorre não apenas pelos talentosos dubladores brasileiros, e sim pois não vinculamos um rosto à voz, como ocorre com atores em carne-e-osso.

Quando escutamos a dublagem do Sylvester Stallone em algum filme sabemos que aquela não é a sua voz. Fica estranho, artificial. A grande maioria prefere escutar a voz do Sly ao invés de um dublador. E eu sou um deles. Porém em um personagem de animação não existe uma voz original pois (agora a grande revelação) ele é uma criação, feita à mão ou no computador! Tanto o Antonio Banderas como o Alexandre Moreno DUBLARAM o Gato de Botas pois ele não pode falar (d’oh’!). O que os dubladores fazem é encaixar suas vozes, interpretando o personagem, dando assim personalidade para aquela animação. E isso os brasileiros são mais competentes que os americanos.

Assista uma animação qualquer dublado. Depois quando o seu Padawan quiser assistir pela milésima vez a mesma animação, assista em inglês e compare. Certamente você vai chegar na mesma conclusão do que eu.

12/09/12

Caro Japão: brincar de nazista é feio, e as bombas não servem como desculpa

> Autor: Ronaldo Gogoni > Categoria: Opinião

Eu gosto muito da cultura japonesa. Ela tem um misto de “do futuro”, tradição e bizarrice que muito me atrai. Porém tem vezes que os japoneses passam do limite do bom senso, apesar de nesse caso o motivo ser cultural (mas não é atenuante).

Caro Japão brincar de nazista é feio, e as bombas não servem como desculpa 01

A pisada na bola em questão veio desse vídeo do integrante da boy band Kat-Tun Koki Tanaka, em que aparece vestido com um uniforme da Schutzstaffel, a organização paramilitar do Partido Nazista. Tanto a águia-símbolo do Terceiro Reich quanto a Totemkopf são facilmente identificáveis.

O Japão lutou ao lado da Alemanha na 2ª Guerra, e as gerações mais novas aparentemente não foram ensinadas sobre o que o nazismo realmente representa para o mundo. Claro que isso é objeto de estudo, mas obviamente é dado muito mais ênfase aos ataques nucleares e aos hibakusha (os sobreviventes da bomba), pois foram as consequências diretas que o Japão sofreu. Aliado ao fato que a comunidade judaica por lá é minúscula, o uso da iconografia nazi é bem comum, e é conferido até um certo ar de “romantismo”.

Não é um caso isolado. Anteriormente, um grupo musical chamado Kishidan havia aparecido na TV com trajes similares ao da SS. Noutro caso, uma marca de cosméticos fez uma campanha em que ilustrava as atrizes do Takarazuka (um dos maiores grupos de teatro do Japão onde só contracenam mulheres, inclusive nos papéis masculinos) com e sem maquiagem. O erro foi da empresa ao estampar uma das atrizes com o mesmo uniforme em outdoors expostos em estações de metrô e outros lugares. A atriz em questão interpretava um coronel da Gestapo na peça “The Prisioners of Lilac Walls” e novamente, não é culpa do grupo.

Mas teve uma pessoa que estourou todas as escalas: o cantor / ator / compositor /multinstrumentista/produtor/faz-tudo GACKT (o nome artístico dele é assim mesmo, com todas as letras em maiúsculo. Egocêntrico? Imagina…). Eu até gosto da música dele, apesar de ser um metido de marca maior. Mas isso aqui não tem desculpa:

Uma tropa da SS inteira no palco. Não que hyde, vocalista da banda L’Arc~en~Cieltenha feito muito diferente (e olha que sou fã do grupo).

Caro Japão brincar de nazista é feio, e as bombas não servem como desculpa 01

Eu amo o Japão por ter me dado boas animações, boa música, videogames legais e o AKB48. Mas ter sido derrotado na guerra, sofrer com duas bombas atômicas e ser humilhado com uma rendição incondicional não dá permissão para se vestir de nazi fora de contexto (com num filme ou na peça do Takarazuka) e achar que está tudo bem, porque não está. Deste lado do mundo esse uniforme representa a morte de milhões de seres humanos e passa longe de ser algo bonitinho, além de pegar mal pra caramba.

Príncipe Harry que o diga.

03/09/12

Futebol sem foot

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Opinião

Gabriel Muniz é um Padawan de 11 anos de idade. Como todo moleque nessa idade ele anda de bicicleta, joga bola e coleciona medalhas. Até aí, nada de mais, não? Mas o Gabriel nasceu sem os dois pés.

Gabriel-Muniz  futebol sem pé

Ele é um dos melhores da sua classe e recebeu um convite para treinar no Centro de Treinamento do Barcelona em Saquarema (Rio de Janeiro).

Quando ele chegou lá ninguém acreditava nele, mas ele provou para todo mundo que pode ser páreo para qualquer garoto. Tanto é que ele foi convidado para ir à Espanha exibir seu talento”

José Lopes, professor de educação Física

A mãe do Gabriel diz que ele começou a andar com 01 ano de idade. Ficava com medo dele cair e tal, mas isso não acontecia. O moleque queria andar e não viu problema nenhum em não ter pés. Olhem o vídeo dele jogando bola:

Nasceu sem os pés e esta indo atrás dos seus sonhos, jogando bola. Pessoas como essa me fazem acreditar na raça humana encara qualquer coisa. Nosso poder de vencer obstáculos é fantástico. Esse sim é um brasileiro e merece o título do Mais Brasileiro de Todos os Brasileiros.

via