Opinião Archives - Página 28 de 40 Nerd Pai

Categoria “Opinião”

25/09/12

Classificação indicativa – Ted e Protógenes

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Opinião

Antes de levar o Padawan ao cinema faço duas coisas: vejo o trailer do filme e a classificação indicativa. Ambos precisam estar de acordo com a idade dele.  Não sou maluco em levá-lo em um filme com classificação indicativa imprópria.  E acredito que não preciso explicar a razão, né?

indicacao indicativa

 

Um Deputado e ex-delegado da Polícia Federal levou o seu filho ao cinema no último fim de semana. Ele foi assistir Ted. Ok, entendo, que o cartaz do filme é um ursinho de pelúcia lindinho e fofinho. Padawan quando viu o cartaz ficou com os olhinhos brilhando:

Cartaz do filme ted protógenez

Indignado o Deputado soltou esse tweet:

 

Eu teria a mesma reação se por acaso o cartaz, o trailer e a sinopse do filme não tivessem a classificação indicativa correta do filme. E ela é bem clara: 16 anos.

Jovens Padawans e Mestres Jedis, qual é a primeira coisa que vocês reparam no cartaz desse filme acima? Sim, o Ted esta com uma Long Neck na mão. Nesse momento já achamos que tem algo errado. Na hora iria procurar a classificação indicativa desse filme. Pronto, sua decisão seria tomada: não levar os Padawans para assistirem. Simples, não? E procure aí, TODOS os posters do filme tem algo que indica que não é para criança.

O que ocorreu é que o Sr Deputado não deve ter visto o cartaz, o trailer e nem a classificação indicativa do filme! E ao invés de assumir o erro, preferiu culpar o Ministério da Justiça e o filme.

Enfim, fica a dica para todos os pais e mães: antes de levarem o seu Padawan ao cinema, olhem no mínimo a classificação indicativa do filme. Eu sei que todos são ocupados e tal e não conseguem ver o trailer, mas pelo menos se o filme é compatível com a faixa etária vocês precisam ver! E o que não falta nos cinemas são cartazes. E esse tipo de cartaz é impossível de não ver:

Classificação indicativa - Ted e Protógenes

 

12/09/12

Legendado ou Dublado, eis a questão

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Cinema, Opinião

Sempre preferi filmes legendados, com o som original. Vira e mexe vejo discussões do que é melhor, filme legendado ou dublado? “Eu prefiro muito mais o som original do que a dublagem“, “Odeio ter de ler as legendas” são os argumentos que a maioria dão sobre esse assunto.

Ter um Padawan te dá a oportunidade de conseguir rever certos conceitos. Um deles é sobre isso. Como assisto mais de 100x a mesma animação eu alterno o inglês e português para mudar um pouco e acabei tendo algumas boas surpresas por causa disso.

Bem, para mim agora, prefiro dublado para alguns tipos de filmes. Confiram abaixo uma pequena cena da animação Gato de Botas dublado e com o som original:

  • ORIGINAL (inglês):

  • DUBLADO (português):

Quem fez a dublagem foi o Alexandre Moreno, que já dublou mais de 40 filmes. Ele dubla o Adam Sandler, Al Pacino (nos três filmes d’O Poderoso Chefão), Antonio Banderas (ele dublou O Gato de Botas em inglês), Ben Stiller, Ben Affleck entre outros.

Alexandre Moreno e Antonio Banderas
Alexandre Moreno e Antonio Banderas

O Alexandre Moreno usa um sotaque espanhol e  mistura o português com o espanhol, mais conhecido como portuñol, em várias cenas.

Hey, que passa?

Usted, usted, usted, pare já donde esta!

Diferentemente do Antonio Banderas que apenas fala em inglês com sotaque (ele é espanhol). Perceberam que a nossa dublagem ficou muito melhor que a original? E o Jack e Jill então? Usaram sotaque e  expressões do interior do Brasil dando muito mais personalidade aos dois.

Uai, um bebê nosso Jill, pra nóis criar sorto que nem um tatu!

O que eu defendo é que em animações/desenhos nossas dublagens são perfeitas e até melhores que as originais. Isso ocorre não apenas pelos talentosos dubladores brasileiros, e sim pois não vinculamos um rosto à voz, como ocorre com atores em carne-e-osso.

Quando escutamos a dublagem do Sylvester Stallone em algum filme sabemos que aquela não é a sua voz. Fica estranho, artificial. A grande maioria prefere escutar a voz do Sly ao invés de um dublador. E eu sou um deles. Porém em um personagem de animação não existe uma voz original pois (agora a grande revelação) ele é uma criação, feita à mão ou no computador! Tanto o Antonio Banderas como o Alexandre Moreno DUBLARAM o Gato de Botas pois ele não pode falar (d’oh’!). O que os dubladores fazem é encaixar suas vozes, interpretando o personagem, dando assim personalidade para aquela animação. E isso os brasileiros são mais competentes que os americanos.

Assista uma animação qualquer dublado. Depois quando o seu Padawan quiser assistir pela milésima vez a mesma animação, assista em inglês e compare. Certamente você vai chegar na mesma conclusão do que eu.

12/09/12

Caro Japão: brincar de nazista é feio, e as bombas não servem como desculpa

> Autor: Ronaldo Gogoni > Categoria: Opinião

Eu gosto muito da cultura japonesa. Ela tem um misto de “do futuro”, tradição e bizarrice que muito me atrai. Porém tem vezes que os japoneses passam do limite do bom senso, apesar de nesse caso o motivo ser cultural (mas não é atenuante).

Caro Japão brincar de nazista é feio, e as bombas não servem como desculpa 01

A pisada na bola em questão veio desse vídeo do integrante da boy band Kat-Tun Koki Tanaka, em que aparece vestido com um uniforme da Schutzstaffel, a organização paramilitar do Partido Nazista. Tanto a águia-símbolo do Terceiro Reich quanto a Totemkopf são facilmente identificáveis.

O Japão lutou ao lado da Alemanha na 2ª Guerra, e as gerações mais novas aparentemente não foram ensinadas sobre o que o nazismo realmente representa para o mundo. Claro que isso é objeto de estudo, mas obviamente é dado muito mais ênfase aos ataques nucleares e aos hibakusha (os sobreviventes da bomba), pois foram as consequências diretas que o Japão sofreu. Aliado ao fato que a comunidade judaica por lá é minúscula, o uso da iconografia nazi é bem comum, e é conferido até um certo ar de “romantismo”.

Não é um caso isolado. Anteriormente, um grupo musical chamado Kishidan havia aparecido na TV com trajes similares ao da SS. Noutro caso, uma marca de cosméticos fez uma campanha em que ilustrava as atrizes do Takarazuka (um dos maiores grupos de teatro do Japão onde só contracenam mulheres, inclusive nos papéis masculinos) com e sem maquiagem. O erro foi da empresa ao estampar uma das atrizes com o mesmo uniforme em outdoors expostos em estações de metrô e outros lugares. A atriz em questão interpretava um coronel da Gestapo na peça “The Prisioners of Lilac Walls” e novamente, não é culpa do grupo.

Mas teve uma pessoa que estourou todas as escalas: o cantor / ator / compositor /multinstrumentista/produtor/faz-tudo GACKT (o nome artístico dele é assim mesmo, com todas as letras em maiúsculo. Egocêntrico? Imagina…). Eu até gosto da música dele, apesar de ser um metido de marca maior. Mas isso aqui não tem desculpa:

Uma tropa da SS inteira no palco. Não que hyde, vocalista da banda L’Arc~en~Cieltenha feito muito diferente (e olha que sou fã do grupo).

Caro Japão brincar de nazista é feio, e as bombas não servem como desculpa 01

Eu amo o Japão por ter me dado boas animações, boa música, videogames legais e o AKB48. Mas ter sido derrotado na guerra, sofrer com duas bombas atômicas e ser humilhado com uma rendição incondicional não dá permissão para se vestir de nazi fora de contexto (com num filme ou na peça do Takarazuka) e achar que está tudo bem, porque não está. Deste lado do mundo esse uniforme representa a morte de milhões de seres humanos e passa longe de ser algo bonitinho, além de pegar mal pra caramba.

Príncipe Harry que o diga.

03/09/12

Futebol sem foot

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Opinião

Gabriel Muniz é um Padawan de 11 anos de idade. Como todo moleque nessa idade ele anda de bicicleta, joga bola e coleciona medalhas. Até aí, nada de mais, não? Mas o Gabriel nasceu sem os dois pés.

Gabriel-Muniz  futebol sem pé

Ele é um dos melhores da sua classe e recebeu um convite para treinar no Centro de Treinamento do Barcelona em Saquarema (Rio de Janeiro).

Quando ele chegou lá ninguém acreditava nele, mas ele provou para todo mundo que pode ser páreo para qualquer garoto. Tanto é que ele foi convidado para ir à Espanha exibir seu talento”

José Lopes, professor de educação Física

A mãe do Gabriel diz que ele começou a andar com 01 ano de idade. Ficava com medo dele cair e tal, mas isso não acontecia. O moleque queria andar e não viu problema nenhum em não ter pés. Olhem o vídeo dele jogando bola:

Nasceu sem os pés e esta indo atrás dos seus sonhos, jogando bola. Pessoas como essa me fazem acreditar na raça humana encara qualquer coisa. Nosso poder de vencer obstáculos é fantástico. Esse sim é um brasileiro e merece o título do Mais Brasileiro de Todos os Brasileiros.

via

30/08/12

Ciclista – Você esta fazendo isso errado

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Opinião

Na terça-feira passada fui em um evento do Viva Positivamente. Peguei carona com a Fá e fui no banco de trás com o Padawan. Na Radial Leste, perto do minhocão, tinha um ciclista no meio da pista, indo para uma faixa e para outra e cortando os carros. Não perdi tempo, saquei o celular e tirei uma foto:

ciclista na radial leste São Paulo

 

Para quem não conhece, essa é a Radial Leste:

Ciclista - Você esta fazendo isso errado Radial Leste

É uma avenida que liga a Zona Leste com a Oeste, aqui em São Paulo. Movimentada o dia todo e tem o limite de velocidade em 60Km.

No ponto que estávamos, junto com o ciclista, o trânsito fluía bem.

Jovens Padawans, o ciclista esta correto em andar em uma via dessas? Eu sei que São Paulo não tem ciclovias e tal, mas duelar com carros é a solução? Quem perde com isso? Se ele é atropelado ali, de quem vai ser a culpa?

O G1 fez uma reportagem em Maio de 2012 mostrando que cresceu a morte de motociclistas nas ruas de São Paulo. E para quem pensou nos motoboys, saibam que eles são apenas 8% dessa estatística. Morrem pessoas que estão indo ao trabalho, faculdade ou passeando. Se a nossa cidade não é propícia para motos, imagine então para bicicletas.

Aí vem a discussão que precisamos ter ciclovias cortando a cidade para não só ajudar o ar como o trânsito.

O que eu acho disso tudo? Absurdo. Abrindo ciclovias na cidade mais ciclistas irão morrer, o trânsito irá piorar e o ar não terá uma melhora significativa. Nossa cidade não foi planejada para bicicletas, infelizmente.

Seria lindo podermos sair por aí de bicicleta com segurança, não é?  Mas como foi feita nossa estrutura de transporte, tanto público com particular, é um suicídio.

Claro que as coisas podem e devem mudar, mas a população precisa de educação para isso.

E se você quer andar de bicicleta, ok, vá em frente. Mas respeite as leis do trânsito. Não ande na contra-mão e nem nas calçadas. Respeite as vias com alto movimento e nunca duele com um carro. Quem vai perder é você.

29/08/12

A pirataria tem um aliado: Ancine

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Opinião

Sou contra baixar qualquer tipo de filme. Assisto no cinema, alugo pelo iTunes ou pelo Sky ou assisto pelo Netflix. Quem não conhece, Netflix é um serviço de vídeo on demand que você pode assistir pelo computador ou na televisão (a Apple TV, Xbox, PlayStation e algumas televisões Smarts, como da LG e da Samsung, tem o aplicativo) milhares de filmes e séries por uma mensalidade de R$ 15,00.

Ou seja, o custo é absurdamente baixo para o leque de opções que ele dá. Ninguém tem mais a desculpa que cinema é caro, alugar é caro, etc etc para piratear um filme. Esse é o começo de uma era da legalidade digital. Ou seria se não fosse o próprio orgão do governo, que luta pelos direitos do Cinema, a Ancine, em incentivar a pirataria.

 

ancine-pirataria

A Ancine cobrará até R$ 3 mil por cada vídeo da Netflix que for adicionado em seu catálogo. Olhem o que disse o Valor Econômico:

“Um dos pontos mais polêmicos da nova lei da TV paga não faz parte do projeto original e foi adicionado por meio de uma instrução normativa da Agência Nacional de Cinema (Ancine). Trata-se da IN 106, anunciada no início do mês. Pela norma, a agência passará a cobrar um imposto sobre obras internacionais que não têm coprodução local e ficam disponíveis para consumo sob demanda.

Isso quer dizer que serviços como o Netflix – que permite o aluguel de filmes por meio de vários dispositivos, como TVs conectadas, tablets e celulares – e o Now, oferecido pela Net a seus assinantes, terão de pagar R$ 3 mil por título adquirido. Esse valor é referente ao recolhimento da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine).

A medida surpreendeu os executivos do setor, que preveem um impacto direto sobre o consumidor. Márcio Carvalho, diretor de produtos da Net, afirmou que o Now poderá sofrer redução de títulos no catálogo.”

Na verdade é  a Instrução Normativa nº 105, de 10/07/2012, que se trata disso. Erro do jornal. Mas os valores estão certos. Segue um trecho do Anexo I  dos valores da Condecine para o segmento de mercado audiovisual on demand:

e) OBRAS PARA OUTROS MERCADOS.

Obra de duração máxima de até 15 minutos R$ 300,00
Obra de duração superior a 15 minutos e até 50 minutos R$ 700,00
Obra de duração superior a 50 minutos R$ 3.000,00
Obra seriada (por capítulo ou episódio) R$ 750,00

 

A Netflix para operar precisa ter lucro. Esse é o objetivo de qualquer empresa capitalista do mundo. Bem, para que eles possam ter um bom natal é necessário terem mais de 24.000 assinantes no Brasil. Esse é o calculo que o site Filmes Netflix fez usando os valores e os números de filmes e séries que eles tem hoje.

O Filmes Netflix tiveram o seguinte posicionamento da Netflix:

Estamos estudando as regras propostas e avaliando potenciais impactos para nós. O mercado online de streaming é bastante novo e promissor não só para a Netflix, mas também para as empresas brasileiras. Por isso, seria ótimo que este tipo de negócio continuasse a crescer, de modo a manter o forte ritmo de inovação de fácil utilização e favorável aos consumidores.

Ou seja, Jovens Padawans, a Ancine que precisa combater a pirataria esta aí incentivando que a bandeira de caveiras sejam erguidas mais forte como nunca. É esse o nosso governo que ao invés de estudar uma reforma tributária, estuda formas de como arrancar mais dinheiro, tanto das empresas como de você que esta lendo isso.

Triste e patético. Esse é o meu sentimento com tudo isso. Vamos compartilhar esse post o máximo possível.

22/08/12

Eu adoro o Diogo Mainardi

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Opinião

Calma calma, eu não gosto dele e vou usar a famosa frase: Isso foi sarcasmo”.

Escrevi no Twitter e no Facebook: Eu adoro o Diogo Mainardi. Selecionei algumas respostas a essa provocação:

“Você deve ser idiota como ele”

“Que coisa feia, ein?”

“Não pode ser verdade!”

“Aff…”

“Você esta falando sério?”

Eu adoro o Diogo Mainardi sarcasmo

A grande maioria não entendeu meu sarcasmo/irônia. Sabe a razão? Presumir que as pessoas irão entender é ser prepotente.

As pessoas que entendem o seu sarcasmo devem te conhecer, saber como você pensa. Exigir que as pessoas saibam que foi sarcasmo é  presumir que elas te conhecem. Mas não basta estar nas redes socias e ter um blog com algumas milhares de visitas por dia para as pessoas te conhecerem.

E ainda quando é por escrito, pirou, pois quem dá a ênfase é quem lê.

Então fica a dica: ao escrever algo irônico, com sarcasmo, deixe claro. Sim, levante a plaquinha igual ao Leonard. Certeza que você não ficará mais chateado quando alguém te ofender por causa do seu refinado sarcasmo (acabaram de me xingar no twitter por causa do Mainardi).

21/08/12

Nunca perca a imaginação

> Autor: Jorge Freire > Categoria: Opinião

Imaginação. Não sei em que momento os adultos a perdem. Com certeza, quando isso acontece, o mundo deles fica mais triste.

Quem aqui brincava, ao andar pela calçada, em evitar de pisar nas rachaduras, como se fosse um jogo? Bem, eu faço isso até hoje.

Fiz um post em 2011 sobre como as crianças vêem o mundo:

A imaginação das crianças

A imaginação das crianças

Essas brincadeiras, jogos mentais, fazem parte da imaginação de todas as crianças. Na verdade é uma válvula de escape para o tédio. Fazem isso em supermercados, andando de carro ou passeando com seus cachorrinhos. Praticamente todas as crianças fazem isso (e alguns adultos até hoje).

O pessoal do Follow the Foot fez um vídeo mostrando justamente essas brincadeiras:

O mundo é bem mais divertido assim, não? E quando temos filhos, temos de lembrar desses jogos que fazíamos e compartilhar com eles. Assim, eles verão que seu pai, adulto, ainda brinca. É a chance de passar para o seu Padawan a dica que ele nunca deve perder a imaginação 😉

Vi o vídeo no OMEDI