Esses dias ao repreender o Padawan por algo que nem me lembro mais, senti que comecei a passar dos limites. Berrei, o peguei pelo braço e fui arrastando o moleque pela casa. Nessa hora a Fá fez uma cara para mim e consegui me acalmar. Sai de perto e deixei ela assumir o controle da situação.

Nesse momento ao invés de disciplinar meu filho, eu poderia cometer algum abuso e resolver me afastar e pensar no que tinha ocorrido.

O abuso nunca deve ser considerado disciplinar e a boa disciplina nunca deve ser abusiva. Mas, no calor de um momento de disciplinar nossos filhos, particularmente nos tensos, os pais podem rapidamente se aproximam da fronteira do abuso antes mesmo de percebê-lo. A velocidade com que o ato de disciplinar pode se transformar em algo maléfico para a criança é enorme.

Se você não consegue se controlar, está em perigo e pode gerar muita raiva e falar coisas que não deve”, adverte o Dr. Michele Borba, autora do livro Onde Foi que Eu Errei ? – Como Acabar com o Mau Comportamento de seus Filhos. Ela observa que um simples sinal de alerta de que um dos pais está indo para o abuso pode ser encontrado simplesmente no modo como ele entra em um momento disciplinar. “Disciplina é ensinável, é calma, é digna. O abuso é o oposto desses três.

Um dos maiores problemas para os pais ao disciplinarem uma criança quando estão com raiva e estressados, nota Dr. Michele Borba, é que a emoção abafa a capacidade dos adultos de tomarem uma perspectiva. Nesses momentos, obscurecido pela raiva, os pais não conseguem mais ver as coisas do ponto de vista de uma criança. O resultado é que a comunicação é imediatamente impossível e, com ela, a capacidade de ensinar.

Se você está calmo, seu filho poderá ficar calmo“, diz Borba. “E é assim que as crianças recebem melhor as informações que você está tentando dar a elas de qualquer maneira.”

É por isso que é tão importante para os pais poderem se afastar. Há um tremendo poder no ato de parar e respirar. É essencialmente um tempo parental. Borba recomenda que as famílias desenvolvam um sinal não verbal que lhes permita indicar que é hora de se afastar até que as coisas se acalmem um pouco. “Não faz diferença se cinco segundos ou dez segundos depois. Respire e então fique calmo porque seu filho responderá a você de uma maneira muito melhor ”, explica ela.

disciplina abuso

É claro que alguns pais querem se apoiar em sua raiva na esperança de que isso amedronte uma criança. Isso porque eles têm a suposição equivocada de que uma criança assustada é uma criança complacente. “A pesquisa diz que o medo funciona apenas no aqui e agora”, observa Borba. “A criança responde por causa do fator medo. Isso impede o comportamento? Não. Na verdade, a maior coisa que o medo faz é reduzir a empatia da criança.

Um garoto que tem medo de um pai é estressante. Esse estresse torna impossível para eles receber qualquer informação que um pai está tentando transmitir. O que é melhor, Borba nota, é uma relação baseada no respeito. A raiva e o medo são motivos de abuso, que não precisam ser tão extremos como chamar a criança por nomes inapropriados ou dar-lhes um tapa na cara.

O abuso pode ser extremamente sutil, mas sempre é feito com uma intenção extraordinariamente negativa que reduz a dignidade e o respeito de uma criança“, diz Borba. “No final, é apenas bullying: intenção negativa intencional que é repetida, feita em um desequilíbrio de poder em que uma criança não consegue se manter.”

Imagens via Shutterstock / via Fathery